Interview with Davi Ferreira

Mina intervjuer / Permalink / 0

Algum de vocês tocou em outras bandas? Sim alguns membros tocaram, e outros ainda tocam com outras bandas, como nosso baixista , o baterista  e o saxofonista.
Como é que você começou a tocar música? Eu comecei  a tocar violão em casa com meu pai, quando eu era criança, depois com amigos na igreja, e vizinhos que são os integrantes da banda hoje,  e aos 18 anos fui para uma escola de música, onde comecei a desenvolver e a crescer musicalmente.
Quais são os vossos nomes? Quem toca o quê? / Quantos anos você tem?
Meu nome é Davi  e toco - guitarra e violão

Vocalistas  - Wilton, Daniele,  e Demilsom que também é o nosso baterista  

Baixista - Nilton

Tecladistas - Alisson e Tiago

Saxofonista  - GG  ou Geniival
Você já teve outros membros anteriores? Sim,  nós já tivemos outros membros que hoje tocam em outras bandas.
Você fez música mesmo quando era jovem? Sim, já fiz.
De onde você é? Eu sou do Brasil, e moro na capital do País, Brasília.
Em que ano se formou a banda? Sempre tocamos juntos desde a adolescencia, com vários amigos sem uma formação fixa, mas praticamente formamos em 2012 com o nome Dreams Band.
Qual é o seu estilo de gênero? Como tocamos em casamentos, eu não definiria um gênero musical específico, pois tocamos um pouco de tudo, mas como banda gostamos muito de pop rock.
O quê te inspira? A vida em si, a natureza e as coisas mais simples do dia a dia, o romantismo, o clássico e tudo que traz paz e alegria.
Com que frequência e onde você reherse? No momento não estamos ensaiando, por não haver  nemhum evento, mas quando temos, meses antes ensaiamos em estúdio de uma a três vezes por semana.
Como você desenvolveu desde que começou com a música? Eu desenvolvi muito como pessoa, e nos relacionamentos pessoais. A música faz isso com a gente, ela nos leva pelo caminho da proximidade com as pessoas,  e todos também crescemos bastante musicalmente, com dedicação e estudo, pois buscamos sempre tirar um som de qualidade pra quem está ouvindo.
Você tem outros interesses de trabalhar fora da banda? Hoje trabalho como professor de violão e guitarra em uma escola chamada EASY no centro da Capital Brasília, e também com aulas particulares. Os outros membros trabalham regularmente em outras atividades profissionais fixas também.
Você está procurando uma agência de reserva, e quais são seus pensamentos em torno disso? Não, mas se um dia aparecer é algo que com certeza  aproveitaremos.

Você está procurando um rótulo, e quais são seus pensamentos em torno disso? Acho que de alguma forma criamos um rótulo um pouco romântico apesar de tocar estilos diferentes.

Você já fez covers? Sim já fizemos covers.
Em qual língua você canta? Nossos vocais cantam em português e inglês, eu  apenas toco.
Quais são as pessoas menos e mais para assistir a um de seus shows? Nos eventos são pessoas de toadas as idades
Que idade são a maioria de seus atendentes de concerto? São de todas as idades

Você sempre toca as mesmas músicas ao vivo, ou você varia? As músicas são variadas e também repetidas.

Você tem um lugar regular onde você joga ao vivo muitas vezes? Não
Qual foi o seu primeiro show? Em um casamento
Qual foi o seu último show? Em um casamento também, em uma mansão no Lago Sul, uma região nobre de classe alta no centro da capital do país.
Onde você tocou ao vivo este ano? Este ano não tocamos ainda.
Onde você planeja tocar no ano que vem? Bem, não temos  nada planejado no momento.
Quando você começou a vender mercadorias, e o que você tem para venda? Nós não temos nada gravado como CD, somente ensaios regulares e nehuma mercadoria para venda.
O que você acha das pessoas que baixam música em vez de comprarem discos hoje em dia? Bem, a tecnologia está cada vez mais avançada trazendo comodidade para todos nós. E as pessoas procuram facilidade e essa comodidade moderna, onde você baixa música mp3 e coloca em um pendrive ao invés de comprar um disco que ocupa um espaço físico maior em uma prateleira.  Acho que as duas formas tem seus lados bons, pois se compram em uma loja virtual pagando pela música no site do artista, ou em uma loja física, estão valorizando  e dando o retorno devido a ele. Todos tem uma escolha a fazer. Mas quando não se compra, e baixa de forma livre, fica complicado, pois o artista não tem o devido retorno do seu trabalho.  É algo difícil e quase sem dominio.
Como você acha que a indústria da música mudou por causa disso? Acho que na questão financeira ela perdeu muito, por não vender tanto como antes da era digital. Tendo que se adaptar à uma realidade tecnológica inovadora onde temos acesso imediato ao trabalho do artiista em um site. Acredito que essa indústria teve que mudar seu padrão de investimento, forma de produção, divulgação, lançamento do artista (Banda), no mercado e mundo musical. Mas também ficou mais fácil para divulgação do trabalho dos artistas, podendo ser conhecido mais rapidamente, colocando seu trabalho e sua arte online.
O que você acha do meu trabalho? O seu trabalho é de uma excelência e de uma importância extrema para o mundo musical, para artistas e bandas. É uma porta que se abre no horizonte.
Como você acha e sabe que esta entrevista irá ajudá-lo no negócio da música? Eu acho e sei  que toda divulgação de um trabalho bem feito por um artista, músico ou banda, quando é divulgado, as pessoas procuram ver, pois é algo novo que está sendo apresentado a elas para ser experimentado e ser aprovado ou não, e se é bom, então uma entrevista e uma divulgação é uma porta que abre grandes opotunidades com certeza. E um grande reconhecimento da jornalista que a fez e do seu trabalho.
Você tem algum modelo ou ídolo? Sim, nossas famílias e amigos. Mas há vários músicos que nós admiramos muito, e sempre os tivemos como modelos,  como Steve Vai, Joe Satriane, Kiko loureiro do Megadeth,  Eduardo Adanuy,  stevie ray vaughan, Dilermando Reis, Wolfgang Amadeus Mozart, Johann Sebastian Bach, entre tantos outros artistas renomados e de outros estilos.
Por que você acha que eles existem? Para serem inspirações, modelos, e trazerem vida atravez dos seus trabalhos musicais que são magníficos.
É mais fácil encontrar inspiração de bandas mais antigas, ou bandas que são mais ativos hoje? Acho que das mais antigas, não é que as novas não inspiram, mas elas sempre tem um ponto de referência no passado,  e a cada geração nova, se tem uma onda musical nova com uma mistura de bandas antigas e suas influências, eu diria atemporal.
Quais foram seus maiores obstáculos? Conciliar trabalho e estudo musical, ensaios ...
Que conselhos você daria a outras bandas ou artistas? Acreditar e colocar Deus em primeiro lugar, acreditar nos seus sonhos, traçar metas, objetivos, trabalhar para alcançá-los e não desistir...
Como você se emociona para um show? Quando vamos tocar, sempre há uma espectativa boa, um pouco de ansiedade para fazer o melhor, e é de onde vem as emoções. E também um bom descanso antes de tudo é essencial.
Como as pessoas podem alcançá-lo?
Facebook, twitter
Quais são seus planos para o futuro? Crescer cada vez mais e fazer sempre algo novo.
Você tem alguma coisa a acrescentar? Quero muito agradece-la  pela oportunidade dessa entrevista, e desejo de coração  que você alcance os seus sonhos e objetivos pois tem ajudado muitos a alcançar os seus. Muito sucesso pra você, obrigado Robex Lundgren.

Till top